Catálogo

  • Um Novo Rumo para o Desporto

    Quando se analisa o desporto português, um dos seus traços mais significativos é o da ausência de ideias. Trata-se de um desporto sem ideias. Continua a viver- -se uma espécie de “situacionismo desportivo”, que se traduz por uma clara ausência de movimentos de opinião e de projectos que indiciem uma decisiva transformação da realidade desportiva nacional. Se exceptuarmos as questões do futebol profissional, é difícil indicar duas ou três questões que nos últimos anos tenham animado debates, suscitado polémicas, e ajudado a construir perspectivas alternativas sobre a vida desportiva nacional. Os textos agora editados foram publicados no jornal Record entre 1996 e 2000. Foram seleccionados a partir de uma matriz comum: as relações do desporto com a política como tema geral e as políticas desportivas nacionais como contexto próprio para essa apreciação. As circunstâncias do momento tornam excessivamente datados alguns dos escritos. É um dos riscos de quem escreveu sobre o quotidiano da política desportiva nacional. A vantagem será, porventura, a de se avaliar à luz das realidades actuais os comentários então feitos.

    21.70
  • A Alimentação do Desportista em 80 Lições

    A maioria das obras consagradas à alimentação do desportista tratam a questão do ponto de vista da competição ou do desempenho elevado, apresentam uma abordagem deliberadamente teórica, mas não cobrem necessariamente todo o conjunto das situações com que o atleta se depara no terreno. Como nos foi dado a perceber pelas múltiplas interrogações suscitadas em colóquios e conferências, há problemas muito concretos e disciplinas inteiras que são excluídos do campo de reflexão dos especialistas. Os conceitos de nutrição de topo, por exemplo, aplicam-se a indivíduos cuja existência gira exclusivamente à volta dessa actividade e, como tal, está organizada para isso. Mas então, e os que treinam ao fim de um dia de trabalho, à hora de almoço ou aqueles que, à imagem de um número crescente de pessoas, estão sujeitos a horários variáveis? Existirão procedimentos dietéticos capazes de reduzir a fadiga intelectual? Como optimizar a vigilância? Como fazer a triagem entre todos os complementos nutricionais disponíveis no mercado? Que recomendações fazer aos esquiadores, aos golfistas, aos futebolistas? Que aconselhar aos desportistas que participam em torneios? Aos pais dos jovens atletas? Aos desportistas de domingo, que anseiam pelo peso ideal? Estes são alguns dos 80 temas abordados neste livro, onde nos espantaria que cada um dos nossos leitores não encontrasse a resposta clara e concisa à preocupação alimentar que ocupa o seu espírito, quem sabe se há tempo demais.

    11.57
  • O Desporto e o Direito

    A ideia de penalização, a vontade de castigar os prevaricadores, sente-se cada vez mais presente na nossa sociedade. A aplicação da ideia de justiça parece, para cada um de nós, simples; mas unificar conceitos, interiorizar princípios e harmonizar vontades, não é tarefa fácil. O sector do Desporto não foge a esta regra. Num campo onde a exposição pública é cada vez maior, numa área onde se procuram, por isso, modelos de actuação, exemplos a seguir, a tentação de sancionar de forma categórica ou de perdoar como mostra de tendência social, é grande. Junte-se a isso a pressão que floresce para a imposição de condutas ou comportamentos regrados, de acordo com padrões criados e em constante mutação, ao sabor de flutuantes convicções, que de forma fácil se começará a perceber a importância social que uma modalidade desportiva encerra, bem como o factor humano que transporta; afinal, é nas “arenas” desportivas que se concretiza a natureza competitiva do homem… Reflectir sobre isso, tendo por base valores éticos, mas procurando também a vertente prática dos dias de hoje, olhando e observando a rede jurídica ornamentada com princípios supostamente universais, é a proposta dos autores, numa primeira aproximação a um terreno mediático, que se pretende acessível ao leitor desprovido de conhecimentos técnicos, mas com um rigor que interessará aos mais estudiosos da matéria. Carente que se apresenta o nosso panorama literário em ensaios de Direito Desportivo, estimular o debate e ponderar opções poderá ser um caminho sensato a percorrer num futuro próximo. O convite fica feito e a porta, modesta, aberta.

    12.68
  • Aptidões e Habilidades Motoras

    O estudo e a aplicação do crescimento e desenvolvimento das aptidões e habilidades motoras são matérias do maior interesse para professores de Educação Física e Desporto, bem como para os treinadores. Aptidões e Habilidades Motoras – Uma visão desenvolvimentista trata-se do primeiro livro em língua portuguesa a abordar tais temáticas, mostrando a investigação mais recente e as suas implicações para a estruturação didáctico-metodológica das aulas de Educação Física e para o planeamento do treino de crianças e jovens. Aborda, de modo crítico e actual, a temática fascinante da prontidão desportivo-motora e dos períodos sensíveis.

    9.51
  • Desporto, Política e Autarquias

    O desporto como direito do cidadão, direito a ser exercido, é o grande desafio colocado às políticas desportivas locais. É a sociedade democrática e a lógica humanista que lhe deve estar inerente que justificam que se dê conteúdo prático a esse direito de cidadania. De todos e não apenas de alguns. Mais do que aceitar a lógica do apoio (aberto ou camuflado) à dimensão profissional do des-porto, o desafio político que se coloca às autarquias locais é o de conseguirem que as res-pectivas populações adquiram um estilo de vida activo onde a actividade física e o desporto sejam considerados como um meio de valorização individual e colectivo. É por isso que os recursos públicos disponíveis deverão ser canalizados prio-ritariamente para o desporto-prática.

    10.04
  • Aspectos Sociológicos do Desporto

    Neste livro encontram-se reunidas um conjunto de conferências proferidas em diferentes espaços de reflexão e debate sobre o fenómeno desportivo português. Os textos ora apresentados pretendem contribuir para o alargamento do conhecimento da complexidade do desporto na sociedade actual, desenvolvendo-se, para o efeito, diferentes temas susceptíveis de serem analisados numa perspectiva sociológica. Com esta publicação pretende-se introduzir o debate de temas distintos embora interligados entre si. Caberá ao leitor fazer a síntese dos mesmos, e assim, aumentar o seu conhecimento e reflexão crítica sobre a complexidade de que se reveste o fenómeno desportivo na actualidade.

    9.51
  • Pedagogia do Treino – A formação em jogos desportivos colectivos,

    Este livro destina-se aos treinadores de qualquer modalidade desportiva colectiva. Dividida em nove capítulos, a obra fala-nos sobre o processo de preparação e o papel da competição no processo de formação; define as principais capacidades do treinador; descreve o treino desportivo enquanto processo de ensino-aprendizagem, pormenorizando com os factores de eficácia do treino, a organização do processo de ensino-aprendizagem e de instrução e a elaboração do Programa.

    7.92
  • O Dirigente Desportivo Voluntário

    o dirigente desportivo vive, no presente, numa encruzilhada do tempo. O desporto transformou-se, diferenciando-se nas intenções, motivações e práticas. As transformações da sociedade provocaram esta mudança. Os clubes, na sua enorme diferenciação de situações, vivem numa crise que, de facto, constitui resultado directo da crise social global. As camadas populares mais desfavorecidas economicamente são as mais fortemente atingidas pelas suas consequências e aquelas que mais dificilmente têm acesso à prática desportiva. O clube popular, aquele que se encontra junto das populações e é por elas criado, gerido e mantido em funcionamento, encontra grandes dificuldades para o desempenho das suas funções. O dirigente desportivo benévolo (aqui designado por dirigente desportivo benévolo para marcar bem a sua identidade) encontra pela frente os mais complexos obstáculos. Que reserva o futuro para este importantíssimo “actor” da vida social? A crise, a manter-se e, provavelmente a agravar-se, irá provocar a sua “morte” como alguns vaticinam desde há muito? Ou, precisamente devido a este agravamento, a sua função social será, finalmente reconhecida e o dirigente desportivo devidamente apoiado como importante meio para enfrentar as “doenças” da modernidade? Este livro não trata de todos os dirigentes desportivos. Rejeitando a visão abusivamente hegemónica do dirigente responsável pelo espectáculo desportivo, afirma que outros tipos de práticas são possíveis e necessárias dentro do processo de democratização cultural da actividade desportiva. E é o clube popular, orientado pelo dirigente desportivo popular, que poderá fornecer resposta às necessidades específicas das camadas sociais mais desprotegidas economicamente (de facto, maioritárias). Todos aqueles que se interessam pelo fenómeno do associativismo, pela reviviscência do tecido social, e pela organização do desporto e da cultura, poderão encontrar neste livro um conjunto de sugestões, perspectivas e análises sobre esta vasta e complexa problemática sugeridas pela experiência e a reflexão do autor.

    14.27
  • Nenhuma Medalha Vale a Saúde de Uma Criança

    15.10
  • Problemas de Teoria e Metodologia nos Jogos Desportivos

    A Teoria Geral do Jogo Desportivo constitui importantíssimo sector da Educação Física que encontra este trabalho uma sólida fundamentação científica que emerge directamente de uma longa prática reflectida e investi-gada. A este aspecto do trabalho, já por si importante, é necessário acrescentar a sua função de aplicação prática no que se refere à metodologia do treino dos jogos desportivos, fechando assim o círculo que, partindo da prática, teoriza, para a ela voltar, orientando-a. A teoria do jogo desportivo constitui, por tudo isto, uma síntese feliz que integra numa visão totalizante (naturalmente em termos de avanço dialéctico da Ciência do Desporto) os diversos componentes da actividade motora de carácter lúdico, mas evoluindo para um autêntico processo de Educação e Cultura Física, componentes absolutamente indispensáveis para a formação completa do indivíduo e para a cultura de um Povo. Nesta perspectiva a “técnica”, a “táctica”, o treino físico e a sua “modelagem”, a “sessão de treino” ou a “lição” de educação física, a própria visão metodo-lógica dos processos de ensino e treino, da dinâmica da equipa e do jogador, assumem neste trabalho um significado novo, mais profundamente válido, e certamente que todos aqueles que desejam fazer progredir o nosso Desporto numa via correcta nele encontrarão elementos de insubstituível valor. Do prefácio de A. Melo de Carvalho

    14.13
  • O Cinema da Não Ilusão

    Colecção de textos publicados em vários suportes, que traçam um retrato do cinema português contemporâneo.

    20.04
  • O Homem Imaginado

    Esta antologia reúne um vasto conjunto de textos escritos ao longo de cerca de 20 anos de trabalho científico e teórico em torno do cinema e dos seus problemas.

    20.04
  • Ceuta 1415

    “Completam-se este ano seis séculos sobre a conquista portuguesa de Ceuta. Excelente pretexto não para comemorar (comemorar o quê?), mas para evocar o acontecimento, para o repensar, para renovar as perguntas ao passado, aproveitando algumas sugeridas pelas sombrias inquietações do presente-futuro e, desse modo, tentar compreender melhor esse presente-futuro.” É assim que o historiador Luís Miguel Duarte, especialista em Idade Média neste período da nossa História, dá o tiro de partida para um livro único, que pela primeira vez pretende descentrar o olhar de Portugal, e procurar ver este episódio, em primeiro lugar, a partir de dentro da cidade muçulmana, mas também das aldeias e montanhas que a cercam, pelos olhos dos muçulmanos de Gibraltar e dos castelhanos de Tarifa, sem fugir ao desafio de examinar a empresa na ótica portuguesa, sem fugir ao desafio de examinar o protagonismo específico do Infante D. Henrique.

    22.00
  • Salazar a instauração da Ordem

    Entre 1932 e 1934, período capital para a instauração da “Nova Ordem”, Salazar monta cirurgicamente os pilares daquela que viria a ser a mais longa ditadura europeia do século XX. Seguindo o implacável plano arquitectado por Salazar, Arnaldo Madureira, investigador de História Contemporânea, desconstrói um a um os mecanismos que levaram à consolidação do seu poder.

    25.13
  • Consciência Histórica e Nacionalismo

    “Consciência Histórica e Nacionalismo” envolve a memória que os intelectuais portugueses foram construindo sobre a nação em que viveram e o seu passado, bem como a reflexão que foram empreendendo sobre o seu próprio ofício. A consciência histórica é consciência de que todo o presente tem uma anterioridade e de que todos os pontos de vista são relativos. O que remete para o sentido reflexivo da modernidade. Num outro sentido, trata-se de contributos para alargar o conhecimento de uma memória histórica construída e sedimentada por historiadores, tendo em conta a sua função na estruturação da consciência nacional. Reúne-se neste livro um conjunto de textos escritos desde 1992 , incluindo dois inéditos, agora revistos e ampliados.

    29.18
  • Salazar e a Igreja

    25.14