Catálogo

  • Consciência Histórica e Nacionalismo

    “Consciência Histórica e Nacionalismo” envolve a memória que os intelectuais portugueses foram construindo sobre a nação em que viveram e o seu passado, bem como a reflexão que foram empreendendo sobre o seu próprio ofício. A consciência histórica é consciência de que todo o presente tem uma anterioridade e de que todos os pontos de vista são relativos. O que remete para o sentido reflexivo da modernidade. Num outro sentido, trata-se de contributos para alargar o conhecimento de uma memória histórica construída e sedimentada por historiadores, tendo em conta a sua função na estruturação da consciência nacional. Reúne-se neste livro um conjunto de textos escritos desde 1992 , incluindo dois inéditos, agora revistos e ampliados.

    29.18 20.43
  • Salazar e a Igreja

    25.14 17.60
  • A Casa Palmela

    Outubro de 1838. D. Pedro de Sousa Holstein, primeiro Duque de Palmela e eminente diplomata, era acusado pela imprensa internacional de ter raptado D. Maria Luísa Sampaio, orfã do Conde da Póvoa e Senhora de uma fortuna invejável, quiçá a mais rica herdeira do Portugal de então. Dezasseis anos antes, havia sido promulgada a primeira Constituição Portuguesa que, apesar da sua curta vigência, instituiria uma Monarquia Constitucional e traria novos desafios à aristocracia, não lhe consagrando quaisquer prerrogativas especiais como até então possuía. Analisar as estratégias de afirmação que permitiram a esta Casa desempenhar os principais cargos palatinos e ser detentora de uma importante pujança financeira nas vésperas da implantação da República possibilitará um melhor conhecimento acerca da aristocracia portuguesa de século XIX.

    19.48 13.64
  • A Primeira Revolução Portuguesa

    Esta obra apresenta de forma sintética as causas que originaram o desencadeamento do processo revolucionário em Portugal, a partir do levantamento da cidade de Lisboa. Recorrendo a nova documentação, recolhida de norte a sul do país, comprova que toda a trama em curso se desenvolve fundamentalmente em torno da ideia da manutenção da independência nacional. Apresenta de uma forma sistemática e cronológica o comportamento das três principais forças em confronto que pugnavam pela conquista do poder em Portugal e os avanços e recuos de seus apoiantes em função dos progressos e retrocessos da dinâmica revolucionária. Comprova que eliminado o único poder legítimo existente, à luz da tradição portuguesa, que era o da rainha D. Leonor, só através da revolução é que se podia legitimar um novo rei ou impor pela força um rei estrangeiro. Evidencia que a vitória do mais fraco, o Mestre de Avis, sobre o mais forte, o rei D. João I de Castela, só foi possível porque a ideia da existência de Portugal independente já não era uma utopia mas sim uma realidade

    19.08 13.36
  • A Esquerda Democrática e o Final da Primeira República

    Este livro apresenta um estudo sobre o Partido Republicano da Esquerda Democrática (PRED), o último partido a ser constituído durante a Primeira República. Pretende dar a conhecer as suas origens, a sua natureza social e a sua estrutura orgânica; perceber a importância que teve no sistema partidário desse período, as responsabilidades que assumiu na queda do regime e avaliar o papel que desempenhou na oposição à Ditadura Militar e ao Estado Novo. É dado também um relevo especial à biografia do seu líder, o advogado portuense José Domingues dos Santos. Na parte final apresenta-se uma lista dos militantes do PRED e dá-se a conhecer a sua imprensa e as suas elites. Em termos cronológicos, embora incidindo com particular destaque nos anos finais da Primeira República, o livro abrange um período que se situa entre os inícios da década de 20 e o final da década de 50 do século xx.

    34.98 24.49
  • Estado Novo – Uma Cronologia

    Esta é a primeira cronologia com carácter monográfico que se publica acerca do Estado Novo. A Cronologia, além de ser uma ciência auxiliar da História, necessária a investigadores e estudiosos, é também uma ferramenta necessária a qualquer pessoa comum que deseje estar informada. É, poderíamos dizer, uma espécie de enciclopédia cronológica, fundamental para pesquisa e importante para consulta.

    38.80 27.16
  • O “Presidente-Rei” Sidónio Pais-2.ª edição

    Esta obra sobre o “Presidente-Rei”, como lhe chamaria Fernando Pessoa, associa a investigação completa e rigorosa à escrita fluente que se torna um prazer de leitura. Aqui é apresentada a análise da acção política de Sidónio Pais, que teve indubitável apoio nacional durante a sua vigência que decorreu até que foi morto a tiro à entrada da estação do Rossio por um Republicano exaltado. São aqui também alvo de estudo as intenções e o consulado de Sidónio Pais, bem como a sua pertença à Maçonaria portuguesa. Uma obra de invulgar qualidade literária e científica que faz uma análise cabal também dos paradoxos do percurso político deste chefe de Estado. O autor, João Medina, é Professor catedrático de História na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa; nasceu em Moçambique em 1939; licenciou-se em Filosofia na Universidade de Lisboa; doutorou-se em em Sociologia na Universidade de Estrasburgo, tendo ensinado na Universidade de Aix-en-Provence (França). Em Portugal foi Director-Geral no Ministério da Comunicação Social (1975-1977); desde 1988 é professor catedrático de História na faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Ensinou ainda nas universidades de Colónia (Alemanha), Pisa (Itália), São Paulo (Brasil) e nos Estados Unidos. Tendo realizado um vasto percurso como conferencista, colaborador e cronista em vários países em todo o mundo.

    18.02 12.61
  • O Padroado Português no Extremo Oriente

    No contexto do Padroado, destacou-se uma parte com características próprias, a da diocese de Macau, designada por Padroado no Extremo Oriente. Aqui podemos encontrar situações específicas, que também levaram a resoluções diferenciadas nos diferentes espaços, conforme se tratasse de território português ou estrangeiro. Neste livro faz-se a análise destas e outras questões, mostrando as posições dos republicanos relativamente à religião e às colónias, para em seguida se analisar a forma como trataram o Padroado. Além deste estudo global de importância fundamental, nesta obra é aprofundada a questão mais específica do Padroado no Extremo Oriente, para se verificar a evolução da questão político-religiosa e, depois, o tipo de trabalho que aí foi realizado. A autora, Célia Reis, é licenciada em História e mestre em História do século XX pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Depois de fazer investigação sobre a Inquisição, dedicou-se essencialmente ao estudo da História portuguesa do século XIX e XX. Autora de diversas obras, tem-se dedicado a temas históricos sobre Macau e o Oriente, as colónias e Torres Vedras.

    18.44 12.91
  • História dos Municípios. 1050-1383

    30.18 21.13
  • O Conde de Tarouca e a Diplomacia na Época Moderna

    Revelando-nos curiosos aspectos do meio aristocrático onde nasceu e viveu, além das venturas e desventuras da prática diplomática que desenvolveu ao longo da vida, este livro dá a conhecer a complexa teia de conexões que na época se estabeleciam entre as trajectórias familiares e sociais e os percursos políticos. Diplomata de representação, Tarouca cedo assumiu o papel de diplomata de negociação, prenunciando as grandes mudanças que a especialização iria introduzir na prática da diplomacia após Utreque. São essas mudanças, desde o congresso de Vestefália até à Paz de Viena que o leitor poderá encontrar nesta obra. O quadro rigoroso que é traçado nesta obra, acerca da política externa europeia na época moderna e a consequente articulação com as opções políticas de Portugal, no quadro das relações internacionais, tornam-na, muito mais do que uma simples biografia, numa obra de referência. A autora, Isabel Cluny, é investigadora do Centro de história Contemporânea e professora-orientadora do núcleo de estágio, na Escola Secundária D. Luísa de Gusmão. É autora de diversas obras e artigos, dos quais destacamos “D. Luís da Cunha e a Ideia de Diplomacia e Portugal”, também editada pelos Livros Horizonte.

    35.23 24.66
  • Salazar e a Europa. História da Adesão à EFTA

    O que levou o regime de Salazar a quebrar o “orgulhosamente sós” e a apostar na adesão à EFTA, em 1956? E como conseguiu Portugal tornar-se membro fundador de uma organização a que pertenciam países altamente industrializados? O objectivo deste livro é esclarecer um processo negocial apontado como um dos mais bem sucedidos na história da política externa portuguesa do século xx.

    18.44 12.91
  • Marcello Caetano: Poder e Imprensa

    Este livro observa o poder político marcelista a partir dos seus discursos e representações na imprensa e observa a imprensa a partir dos jornais, dos jornalistas e dos grupos económicos.

    26.50 18.55
  • Ordens Religiosas em Portugal – Das Origens a Trento-2ª.Edição

    40.28 28.20
  • Igreja Católica na Origem do Estado Novo

    Nas vésperas do 28 de Maio os revoltosos estavam divididos em duas facções: uma, que tinha como dirigente o capitão de mar e guerra José Mendes Cabeçadas, apostava num projecto político de cariz democrático; a outra, na aparência liderada pelo General Gomes da Costa, batia-se por um estado forte, que estabelecesse a ordem na política, nas ruas e nos espíritos, e reorganizasse política, económica e socialmente o país. Com a presença do Episcopado poertuguês, realizavam-se, em Braga, as cerimónias litúrgicas do Congresso Mariano. Gomes da Costa prometeu-lhes, então, se triunfasse, o reconhecimento da personalidade jurídica da Igreja, a liberdade de ensino religioso nas escolas particulares, a restituição à Igreja dos bens que estavam na posse do Estado e que lhe haviam pertencido, e a aposentação dos párocos. Rapidamente Cabeçadas e Costa foram devorados por um processo que reflectia as divisões dos homens que disputavam o poder, com ideias diferentes quanto ao modelo de sociedade que queriam, e quanto aos modelos ideológicos que defendiam. Sem que ninguém em rigor contolasse politicamente os acontecimentos o processo revolucionário continuou, com a situação financeira do país a agrvar-se. Vivia-se num clima de guerrilha permanente, de boatos, intrigas e notícias alarmentes. A Igreja católica, nessa altura, esteve ao lado dos que se batiam por uma solução autoritária de direita. No dia 27 de Abril de 1928 Salazar entrava para a pasta das finanças. Ao lançar os fundamentos de uma gestão responsável e coerente das finanças portuguesas, encontrou ao seu lado o mundo católico. Mais, quando a 29 de Junho daquele ano apelou aos portugueses para que pagassem as suas contibuições de uma só vez, em vez de o fazerem em duas prestações, a Igreja mobilizou-se. Em documentos individuais os bispos recomendavam aos seus párocos, em particular, e aos seus paroquianos, em geral, que cooperassem com o ministro das finaças, na”obra patriótica de salvação do país”. Começava-se, assim, a lançar uma política e um projecto, que iriam vigorar por muitos anos.

    22.21 15.55
  • Senhorias Laicas Beirãs no Seculo XV

    O autor apresenta o quadriculado da Comarca da Beira dos séculos XIV e XV, onde, na sua grande maioria, em alargados conjuntos de terras e partículas várias de solo se agrupavam os Beirões de então, uns aí nascidos, outros residentes ou com grande número de bens imóveis. Fala da Nobreza tão-só, dos feudos respectivos, do alargamento dos mesmos por modos irregulares e da sua primitiva aquisição por doação régia, como forma de recompensa pelo protagonismo nas múltiplas conjunturas dos ditos séculos. Refere ainda como nasceram por lá os primitivos núcleos de propriedade dos filhos segundos que, por lei, não tinham direito a quinhão familiar. Discrimina as produções alimentares e “industriais”, os monopólios, nomeações e privilégios daqueles cujos filhos e netos veremos depois nas Ilhas, no Brasil, na Índia, na China e no Japão.

    22.16 15.51
  • As Politicas Portuguesas na Índia e o Foral da Goa

    Em As Políticas Portuguesas na Índia e o Foral de Goa, o autor foge aos lugares comuns e diverge das interpretações tradicionais, apresentando uma visão dos Descobrimentos Portugueses distinta das teorias consagradas. Fazendo uma investigação criteriosa e uma análise fria dos acontecimentos, chega à conclusão de que, se do ponto de vista científico e técnico a empresa comandada por Vasco da Gama foi um dos maiores sucessos mundiais, do ponto de vista político, diplomático e comercial foi um rotundo falhanço. Confrontando os interesses das mais diversas forças em presença no teatro de guerra em Goa, descortina a razão principal que levou Afonso de Albuquerque a entregar o comando das forças locais a estrangeiros e não a originários de Goa, depois da segunda conquista daquela importante cidade da costa ocidental indiana. Estudando minuciosa e cuidadosamente o Foral de Goa, considera-o, não como uma dádiva do monarca português mas como um documento negociado e acordado entre os portugueses e goeses, indispensável para uma convivência equilibrada entre vencedores e vencidos. Retira a Afonso Mexia a importância que tradicionalmente lhe é atribuída e chega à conclusão de que, embora os forais portugueses tenham servido de guia ao redactor ou redactores portugueses do Foral de Goa, o principal modelo que lhe serviu de base foi o documento ou documentos que existiam antes da conquista de Goa pelos portugueses, bem como os livros das leis antigas de Goa e das terras firmes.

    16.11 11.28