Cultura Física

  • O Dirigente Desportivo Voluntário

    o dirigente desportivo vive, no presente, numa encruzilhada do tempo. O desporto transformou-se, diferenciando-se nas intenções, motivações e práticas. As transformações da sociedade provocaram esta mudança. Os clubes, na sua enorme diferenciação de situações, vivem numa crise que, de facto, constitui resultado directo da crise social global. As camadas populares mais desfavorecidas economicamente são as mais fortemente atingidas pelas suas consequências e aquelas que mais dificilmente têm acesso à prática desportiva. O clube popular, aquele que se encontra junto das populações e é por elas criado, gerido e mantido em funcionamento, encontra grandes dificuldades para o desempenho das suas funções. O dirigente desportivo benévolo (aqui designado por dirigente desportivo benévolo para marcar bem a sua identidade) encontra pela frente os mais complexos obstáculos. Que reserva o futuro para este importantíssimo “actor” da vida social? A crise, a manter-se e, provavelmente a agravar-se, irá provocar a sua “morte” como alguns vaticinam desde há muito? Ou, precisamente devido a este agravamento, a sua função social será, finalmente reconhecida e o dirigente desportivo devidamente apoiado como importante meio para enfrentar as “doenças” da modernidade? Este livro não trata de todos os dirigentes desportivos. Rejeitando a visão abusivamente hegemónica do dirigente responsável pelo espectáculo desportivo, afirma que outros tipos de práticas são possíveis e necessárias dentro do processo de democratização cultural da actividade desportiva. E é o clube popular, orientado pelo dirigente desportivo popular, que poderá fornecer resposta às necessidades específicas das camadas sociais mais desprotegidas economicamente (de facto, maioritárias). Todos aqueles que se interessam pelo fenómeno do associativismo, pela reviviscência do tecido social, e pela organização do desporto e da cultura, poderão encontrar neste livro um conjunto de sugestões, perspectivas e análises sobre esta vasta e complexa problemática sugeridas pela experiência e a reflexão do autor.

    14.27
  • Nenhuma Medalha Vale a Saúde de Uma Criança

    15.10
  • Problemas de Teoria e Metodologia nos Jogos Desportivos

    A Teoria Geral do Jogo Desportivo constitui importantíssimo sector da Educação Física que encontra este trabalho uma sólida fundamentação científica que emerge directamente de uma longa prática reflectida e investi-gada. A este aspecto do trabalho, já por si importante, é necessário acrescentar a sua função de aplicação prática no que se refere à metodologia do treino dos jogos desportivos, fechando assim o círculo que, partindo da prática, teoriza, para a ela voltar, orientando-a. A teoria do jogo desportivo constitui, por tudo isto, uma síntese feliz que integra numa visão totalizante (naturalmente em termos de avanço dialéctico da Ciência do Desporto) os diversos componentes da actividade motora de carácter lúdico, mas evoluindo para um autêntico processo de Educação e Cultura Física, componentes absolutamente indispensáveis para a formação completa do indivíduo e para a cultura de um Povo. Nesta perspectiva a “técnica”, a “táctica”, o treino físico e a sua “modelagem”, a “sessão de treino” ou a “lição” de educação física, a própria visão metodo-lógica dos processos de ensino e treino, da dinâmica da equipa e do jogador, assumem neste trabalho um significado novo, mais profundamente válido, e certamente que todos aqueles que desejam fazer progredir o nosso Desporto numa via correcta nele encontrarão elementos de insubstituível valor. Do prefácio de A. Melo de Carvalho

    14.13