A Vaca que não ri

A Vaca que não ri

Nas representações culturais, os animais vivem livres, felizes, e interagem harmoniosamente uns com os outros nos prados verdejantes ou nas bucólicas montanhas. Contudo, estas idílicas construções apresentam-se desfasadas das realidades experienciadas por milhões de animais que são diariamente explorados, serializados, coisificados e mortos pela indústria agropecuária.

Neste livro analisam-se as práticas de consumo de “carne” e de outros produtos de origem animal, considerando o papel significativo da cultura dominante no processo de condicionamento e sedimentação de determinadas perceções, padronizadas, em torno dos animais explorados para fins alimentares.

Dá-se visibilidade a algumas das práticas exploratórias e violentas a que os animais estão sujeitos na agropecuária em Portugal, comparando-as com casos paradigmáticos de representações culturais que evocam os animais, a “carne” e o leite bovino. As notórias discrepâncias entre as mitificantes representações da cultura dominante e as reais vivências – constantemente omissas – a que os animais explorados estão sujeitos, desempenham um papel fundamental para que as perceções e as práticas de consumo de “carne”, e de outros produtos de origem animal, se mantenham intactas.

14.00

Em stock

  • Sobre o livro
  • Detalhes do produto

Descrição

Nas representações culturais, os animais vivem livres, felizes, e interagem harmoniosamente uns com os outros nos prados verdejantes ou nas bucólicas montanhas. Contudo, estas idílicas construções apresentam-se desfasadas das realidades experienciadas por milhões de animais que são diariamente explorados, serializados, coisificados e mortos pela indústria agropecuária.

Neste livro analisam-se as práticas de consumo de “carne” e de outros produtos de origem animal, considerando o papel significativo da cultura dominante no processo de condicionamento e sedimentação de determinadas perceções, padronizadas, em torno dos animais explorados para fins alimentares.

Dá-se visibilidade a algumas das práticas exploratórias e violentas a que os animais estão sujeitos na agropecuária em Portugal, comparando-as com casos paradigmáticos de representações culturais que evocam os animais, a “carne” e o leite bovino. As notórias discrepâncias entre as mitificantes representações da cultura dominante e as reais vivências – constantemente omissas – a que os animais explorados estão sujeitos, desempenham um papel fundamental para que as perceções e as práticas de consumo de “carne”, e de outros produtos de origem animal, se mantenham intactas.

Informação adicional

Peso 0.238 kg
ISBN 978-972-24-1889-8
Dimensões 15.5 x 23.5 cm
Número de Páginas 144
Encadernação Capa mole
Faixa Etária +18 anos

Também pode gostar…