Product Tag - Romance Histórico

  • Catherine of Braganza

    ‘What are little girls made of? Sugar and spice and all things nice, 

    that is what little girls are made of.’ — English rhyme inspired by Catherine of Braganza, who brought the habit of drinking tea to the English court.

    And so much more…

    At the age of twenty-three, the Infanta Catherine of Braganza, daughter of Luísa of Gusmão and king João IV of Portugal, left behind all that was dear to her to become Queen of England. A pawn in a larger political scheme,

    certainly, but those who knew Catherine perceived her eagerness for this marriage to Charles II, a prince charming who she loved passionately, even before having met him.

    She fought bravely for king and country, in a court so different from her own, in a world where her religion was proscribed. Catherine had to watch her husband’s infidelities and the births of his illegitimate children, while her womb remained incapable of fulfilling the only goal set out for her, to bear an heir to the throne. And Charles rewarded her courage with unwavering loyalty.

    After the success of Philippa of Lancaster — English Princess, Queen of Portugal, Isabel Stilwell brings us a new and thrilling novel about the only Portuguese princess who rose to the English throne. She leads us on a voyage through the Portuguese court of the 17th century, the turmoil of the Restoration, and the controversial reign of Charles II of England. As we turn the pages, we suffer, laugh and cry along with characters who will remain with us forever.

    24.90
  • D. AMÉLIA – A Rainha exilada que deixou o coração em Portugal

      Última rainha de Portugal, D. Amélia viveu durante 24 anos num país que amou como seu, apesar de nele ter deixado enterrados uma filha prematura que morreu à nascença, o seu primogénito D. Luís Filipe, herdeiro do trono, e o marido D. Carlos assassinados em pleno Terreiro do Paço a tiro de carabina e pistola.

     

    Uma rainha não foge, não vira costas ao seu destino, ao seu país. D. Amélia de Orleães e Bragança era uma mulher marcada pela tragédia quando embarcou, em Outubro de 1910, na Ericeira rumo ao exílio. Essa palavra maldita que tinha marcado a sua família e a sua infância. O povo acolheu-a com vivas, anos antes, quando chegou a Lisboa. Admirou a sua beleza, comentou como era alta e ficou encantado com o casamento de amor a que assistiu na Igreja de São Domingos. A princesa sentia-se uma mulher feliz. Mas cedo começou a sentir o peso da tragédia. O povo que a aclamou agora criticava os seus gestos, mesmo quando eram em prol dos mais desfavorecidos. O marido, aos poucos, afastava-se do seu coração, descobriu-lhe traições e fraquezas e nem o amor dos seus dois filhos conseguiu mitigar a dor. Nos dias mais tristes passava os dedos pelo colar de pérolas que D. Carlos lhe oferecera, 661 pérolas, cada uma símbolo dos momentos felizes que teimava em não esquecer.

    21.00
  • D. MARIA II – Tudo por um Reino

    Com apenas 7 anos, Maria da Glória torna-se rainha de um reino que não conhecia. Esta é a história de uma mãe dedicada e política de pulso forte que durante dezanove anos comandou os destinos de Portugal.

     

    A sua infância foi vivida no Brasil, dias longos e quentes entre os morros verdes e as praias de areia branca, segura pelo amor da sua adorada mãe, Leopoldina da Áustria. A ensombrar esta felicidade apenas Domitília, a amante do imperador do Brasil e seu pai, D. Pedro IV de Portugal. Em 1828, parte rumo a Viena para ser educada na corte dos avós. Para trás deixa a mãe sepultada, os seus queridos irmãos e a marquesa de Aguiar, amiga e protetora. Traída pelo seu tio D. Miguel, que se declarara rei de Portugal, D. Maria acaba por desembarcar em Londres, onde conhece Vitória, a herdeira da coroa de Inglaterra. Ficarão para sempre ligadas por uma estreita relação de amizade que as suas cartas, quase diárias, nos revelam. Aos 14 anos, D. Maria II pisa pela primeira vez o solo do seu país, um reino destroçado pelas guerras entre liberais e absolutistas. Fracassada a união com o tio Miguel, agora exilado, casa com Augusto de Beauharnais, que morre um ano depois. Teimosa, não desiste da felicidade e encontra-a junto de D. Fernando de Saxe-Coburgo-Gotha, pai dos seus onze filhos. Determinada, não desiste do trono, contra tudo e contra todos.

    22.00
  • ISABEL DE BORGONHA – Ínclita Geração

    Um feito de luzes, outro feito de sombras. Isabel, tal como a sua mãe, D. Filipa de Lencastre, casava tarde. E a ideia de deixar Portugal, o pai envelhecido, os cinco irmãos em constante desacordo, e Lopo, irmão de leite e melhor amigo, para partir para um país longínquo e gelado atormentava-lhe o coração. Era a terceira mulher de Filipe, já duas vezes viúvo, esperava vir a dar-lhe o herdeiro legítimo de que Borgonha tanto precisava. A sua fama de mulherengo atravessava fronteiras… Mas Isabel sabia que nascera para cumprir um destino, ser a Estrela do Norte, que firme no céu indica o caminho. Saberia mudá-lo, torná-lo num homem diferente, acreditava Isabel. Na manga levava um trunfo que apenas partilhava com o seu irmão Henrique e com o seu fiel Lopo, na esperança de se tornar senão amada, pelo menos indispensável. Mas ao longo da sua vida, as sombras foram ganhando terreno e os acontecimentos precipitaram-se numa espiral que Isabel não conseguia travar, e de que apenas o seu filho a podia salvar.

    21.00