Products tagged “Lisboa”

  • 28 – Crónica de um percurso | 28 – Chronicle of a journey

    O ELÉCTRICO 28, verdadeiro ex-líbris de Lisboa desde 1985, larga do Martim Moniz e nos Prazeres vai a enterrar, ressus­citando ali para regresso da cir­culação. É a linha mais longa e complexa da cidade, e riquíssima de informação urbana — subin­do à Graça, descendo pela Sé até à Baixa para trepar à Estrela, de colina para colina. E, como deve ser, “vendo por onde se vai antes de lá chegar”.

     

    THE 28, real ex-libris of Lisbon since 1985, departs from Martim Moniz and is buried in Prazeres, and is in turn resurrected there for the return trip. It is the lon­gest and most complex tour of the city, as well as rich in urban information — up to Graça, down past the Cathedral to the Baixa to then climb up to the Estrela, hill by hill. As it should be, “seeing where you’re going before you get there”.

    24.90€
  • Invocações a Nossa Senhora na cidade de Lisboa

    Invocações a Nossa Senhora na Cidade de Lisboa é uma obra singular sobre a veneração a Nossa Senhora ao longo da história da cidade, desde a sua conquista até ao século XX, uma recolha das suas principais invocações em imagens, altares, capelas, ermidas, igrejas, conventos e mosteiros, e também no nome de instituições como confrarias, irmandades, paróquias e freguesias.

    As invocações são, na sua maioria, acompanhadas de pequenas notas históricas que ajudarão o leitor a compreender a razão da sua existência e a enquadrá-las no seu lugar e no seu tempo.

    16.90€
  • Lisboa em Camisa – Palco e Personagens na Obra de Gervásio Lobato –

    Gervásio Lobato é hoje um escritor esquecido, mas conhecidíssimo no seu tempo, tal como a obra que esta investigação propõe relevar. Lisboa em Camisa foi um marco na comédia portuguesa do século XIX, uma novela que explorou o lado humorístico da vida humana, na descrição do dia-a-dia de uma franja da pequena burguesia que habitava na capital. O trabalho, que dá origem ao presente livro, procura reler o autor e a sua Lisboa em Camisa, não descurando dois pontos essenciais para os entender: o teatro e o jornalismo. A comédia humana de Gervásio teve nos palcos e nos jornais da época os veículos fundamentais para se tornar conhecida. O resultado foi uma bem-humorada novela que merece ser redescoberta.

    14.20€
  • Today I feel – Diary of an Azulejo | Hoje Sinto-me – Diário dum Azulejo

    Cada estrangeiro que chega a Lisboa descobre-se de repente azulejófilo por vocação e caminhante por profissão, gastando as suas solas para percorrer toda a cidade e conseguir captar a variedade de cores e desenhos colados nas fachadas.

    Eu também tive esta iniciação à cidade e à azulejaria portuguesa. Nos meus passeios caminhava com um ar maravilhado achando que ali, naquela fachada, tinha encontrado o mais lindo azulejo de Lisboa… até ao prédio seguinte. Alguns sapatos depois, comecei a reconhecer os azulejos de longe, como amigos que há algum tempo não vemos, e a notar as pequenas diferenças entre os padrões, tal como os mesmos amigos que, no tempo em que não os vemos, mudaram de óculos ou deixaram crescer o bigode. Assim o estrangeiro azulejófilo em Lisboa começa a desenhar na sua cabeça um mapa personalizado da cidade, inspirado nos desenhos e cores que encontra nos azulejos: aos bairros dá o nome de Ponta de Diamante, Padrão Camélias, e ainda outros.

    Naqueles passeios, naquelas horas de maravilha ótica, comecei a tirar fotos dos azulejos, tentando batizar cada um deles, e parecia que só um sentimento ou uma situação emotiva conseguiam explicar os azulejos, as suas cores, os seus padrões, as mudanças que o tempo e os habitantes da cidade tinham exercido sobre eles. Foi aí que comecei a ler o Diário dum azulejo, este diário, em que as aventuras sentimentais dum azulejo branco serão narradas por ele mesmo, que cada dia tira uma foto do seu estado emocional e tenta traduzir em sensações as cores, as imagens, o brilho que esta arte portuguesa soube produzir.

    8.90€
  • Conquering Lisbon

    A Lisbon Guide for Young Adventurers! For those who come with their parents and already know how to read, or for those who like to be read to – the same itineraries as the adults but designed so as to help the young travellers make the most of their visit to Lisbon. The best routes, the easiest climbs! Clues, Games and Challenges! Conquering Lisbon!

    Available in portuguese http://www.livroshorizonte.pt/catalogo/a-conquista-de-lisboa/  

    13.90€
  • À Conquista de Lisboa

    Um roteiro de Lisboa feito a pensar nos pequenos aventureiros! Para os que vêm com os pais e já sabem ler — ou gostam de ouvir os pais a ler-lhes alto —, os mesmos percursos dos adultos, mas desenhados para que os viajantes mais novos tirem o maior prazer desta visita a Lisboa. Os melhores caminhos, as subidas menos cansativas! Pistas, jogos e desafios! À conquista de Lisboa! Dinossauros, Múmias e Dragões, Marinheiros, Sereias e Tritões, Mares e oceanos a navegar, Castelos para conquistar! Nesta Lisboa de encantar, Mil aventuras terei para contar…

    PNL

     

    Disponível em Inglês http://www.livroshorizonte.pt/catalogo/conquering-lisbon/ 

    13.90€
  • Lisboetas do Século XX – Anos 20, 40 e 60

    José-Augusto França divide em três partes cronológicas – anos 1920, 40 e 60 – a sondagem feita a uma Lisboa de há poucas décadas. Num certo registo de divertimento a que nos habituou já em obras anteriores, o historiador, atento aos tempos e aos sítios, às pessoas e às imagens, descreve-nos as transformações de Lisboa – em urbanização e demografia –, o quotidiano da cidade nas pessoas dos seus habitantes, a (trasn)formação de classes sociais (“smart” em 1920, “jet set” em 1970…) com o declínio discreto de uma aristocracia com hábitos de vida herdados, a pequena e a alta burguesias emergentes a contrabalançar com o levantar dos bairros sociais. O autor apoiou-se em personagens e referências literárias de alguns escritores que criaram “lisboetas apropriados” – Luís Francisco Rebelo, André Brun, José Cardoso Pires, Luís Sttau Monteiro, João Ameal e outros – e pontuou sempre a sua pesquisa com a ilustração indirecta das sondagens feitas, através de fotos de imprensa ou arquivos, bem como de desenhos de humor. Stuart Carvalhais, Bernardo Marques, Carlos Botelho, Jorge Barradas, Almada Negreiros e o mais recente João Abel Manta são apenas alguns dos nomes pela mão de quem vamos nesta viagem intemporal a uma Lisboa de outros tempos.

    19.08€ 14.00€
  • Dos Restauradores à Liberdade em Postal Antigo

    Este livro mostra-nos a cidade de Lisboa, dos Restauradores à Avenida da Liberdade, através de 106 belíssimos postais ilustrados antigos, cuidadosamente seleccionados e organizados pelos autores. Conta ainda com uma elaborada contextualização sociohistórica e cultural da Lisboa daquele tempo relatando sobre o Passeio Público, a Praça e o Monumento, os Edifícios com interesse (Palácio Foz, Palácio Anjos, Hotel Avenida Palace, Cinemas Éden, Condes e Tivoli e o Elevador da Glória), a Avenida e os Bairros, as várias estátuas ao longo do percurso e sobre as figuras mais importantes como Rosa Araújo, Ressano Garcia e José Luís Monteiro. Carlos Consiglieri e Marília Abel têm vindo a alargar o nosso conhecimento acerca da capital, com riquíssimas colecções de postais antigos. Esta colecção conta já com os seguintes títulos: Os Jerónimos em Postal Antigo, O Rossio em Postal Antigo, A Praça do Comércio em Postal Antigo e O Cais do Sodré em Postal Antigo.

    35.33€ 14.00€
  • O Grémio Literário e a sua história

    O “Grémio Literário”, fundado em 1846 por personalidades como Alexandre Herculano e Garrett, Rodrigo da Fonseca e Rodrigoues Sampaio, Sá da Bandeira e Loulé, é uma instituição cultural de “utilidade pública” e um clube social, instalado desde 1875 no palacete Loures, exemplar da arquitectura romântica, junto ao Chiado, com seus salões, sua biblioteca, seu restaurante e seu bar. Dele fizeram (e fazem) parte nomes notáveis da vida intelectual, política e social nacional – com a lembrança maior de Eça de Queiroz que numerosas vezes se lhe refere na sua obra. José-Augusto França propôs-se traçar a história do “Grémio Literário” ao longo de perto de 160 anos, com suas conferências, seus concertos e recitais, seus encontros de escritores, suas ante-estreias de filmes, seus jantares comemorativos – suas vivências, em suma, dando significativo relevo ao Salão dos Humoristas de 1912, que, com Almada Negreiros, Jorge Barradas ou Canto da Maia, marca a primeira data histórica do “Modernismo” português, ou do “Centro de Estudos do Século XIX”, que, cerca de 1970, sob a presidência de Vitorino Nemésio, realizou numerosos seminários, conferências e colóquios internacionais.

    26.65€ 17.00€
  • O Cais do Sodré em Postal Antigo

    O velho sítio dos Remolares, denominado posteriormente Cais do Sodré, foi local de inspiração de fotógrafos desde que esta profissão/actividade adquiriu estatuto e destaque. A colecção de postais ilustrados antigos presente neste livro revela ao leitor a importância urbana do Cais do Sodré e da Avenida 24 de Julho que abriram a vertente da Lisboa Ribeirinha, a partir da área pombalina consolidada para a urbanização dos novos espaços conquistados ao Tejo, em resultado de demorado processo de aterros e de arranjos citadinos. Através de 108 belíssimas representações deste importante espaço lisboeta é possível, aqui, ganhar uma visão completa do evoluir da zona do ponto de vista construtivo.

    37.10€ 14.00€
  • A Praça do Comércio em Postal Antigo

    Como afirmam diversos investigadores, a maior parte da memória da cidade de Lisboa e dos portugueses passa pela Praça do Comércio, ou Terreiro do Paço. Ali foi o primeiro porto de Lisboa, local da ascensão dos judeus, espaço das estruturas do poder real manuelino, ex-libris filipino, cenário inquisitorial, sítio de entradas reais, da celebração do simbólico e do poder de estado iluminista, lugar do regicídio de D. Carlos, das festas republicanas… Corporizou, na sua enseada, o anco-radouro – porto que serviu a actividade de salga de peixe – e serviu depois como escoador de produtos artesanais medievos. Este álbum revela-nos a Praça do Comércio por um horizonte temporal de 30 a 40 anos, desde a última década de oitocentos à terceira década do século findo.

    37.10€ 14.00€
  • O Rossio em Postal Antigo

    Rossio significa “praça pública”. Tem o mesmo sentido que a Ágora para os gregos ou o Forum, para os romanos. Este grande centro viu passar quase toda a História da cidade, as alegrias do povo em festa, as procissões lancinantes das vítimas inquisitoriais, as revoltas, os comícios, os corsos de carnaval. Descendo pelo vale que se fez avenida e pelas encostas que emolduram a praça, os acontecimentos vieram parar ao Rossio. Acontecimentos aqui evocados em 115 postais ilustrados antigos, que constituem belíssimas representações da Praça D. Pedro IV, em Lisboa.

    38.36€ 14.00€
  • Os Jerónimos em Postal Antigo

    O Mosteiro de Santa Maria de Belém – ou dos Jerónimos –, é aqui evocado em 115 postais ilustrados antigos, que datam desde finais do século XIX até às primeiras décadas do século XX. Através destas belíssimas reproduções é-nos proporcionada uma original viagem no tempo na qual podemos apreciar as várias fases da evolução e da construção última do monumento.

    32.81€ 14.00€
  • Monte Olivete, Minha Aldeia

    “Monte Olivete, minha aldeia” é um roteiro histórico e artístico, em urbanismo, arquitectura e paisagem, humana também, através das vivências de um antigo local de Lisboa que Fernão Lopes já mencionou. José-Augusto França, autor de vasta obra de historiador da cidade, passeou lentamente por estas ruas, largos e jardins, calçadas e escadinhas, entre igrejas e conventos, universidades e indústrias, palácios, casas e casebres, com a experiência de lá viver há meio século. E com sociologia aplicável… Um triângulo com vértice no Rato, lados nas descidas do Salitre e de S. Bento, base numa sequência de três jardins, da Alegria, do Príncipe Real e das Flores, e mediana na linha de festo da rua da Escola Poltécnica, define-se claramente na topografia da cidade – tendo adquirido personalidade ao longo de mais de quatro séculos, em transformações naturais e artificiais, conservações e restauros. Depois de ter escrito a “crónica de um percurso” do carro eléctrico “28” (1999, 2.ª ed. 2000) e de ter publicado “Memórias para o Ano 2000” (2000, 2.ª ed. 2001), José-Augusto França deu-se, com gosto, a este “divertimento literário” – que Pedro Soares mais uma vez acompanhou com as suas fotografias.

    27.69€ 17.00€
  • Exposições do Estado Novo – 1934-1940

    A Exposição do mundo Português foi, em 1940, um facto cultural da maior importância no quadro da política do Estado Novo em que se explica, programada que foi pelo próprio Oliveira Salazar no âmbito de vastas comemorações nacionalistas do regime. Mas a exposição de Belém ultrapassa o seu propósito pela qualidade artística da sua realização, apogeu da criação dos artistas portugueses das duas primeiras gerações “modernistas”, após uma série coerente de manifestações que a preparam – desde 1934, na exposição do 1.º Congresso da União Nacional. A Professora Margarida Acciaiuoli consagrou uma parte importante da sua tese de doutoramento (UNL, 1991) à história da Exposição de 1940 estudando minuciosamente as que a precederam, numa recolha inédita de informações, e passando daí ao estudo original da arquitectura e do urbanismo, da pintura e da escultura dos anos 40 em Portugal.

    32.78€ 19.00€
  • Caminho do Oriente – Guia do Património Industrial

    Este “Guia Histórico” corresponde a um projecto no âmbito do Caminho do Oriente de levantamento histórico do património industrial existente na zona Oriental de Lisboa na continuação das transformações urbanas introduzidas pela preparação da EXPO 98. A área oriental da cidade experimentou uma vocação industrial, cujas marcas ficaram traçadas na paisagem, desde a época da expansão. Oficinas, manufacturas, fábricas, chaminés, fornos, grandes conjuntos industriais, bairros operários, trabalho, greves… Este guia procura contribuir para o reconhecimento e salvaguarda dos valores industriais e dos seus edifícios notáveis, da caracterização do valor patrimonial artístico-arquitectónico e técnico das unidades sobreviventes na cidade oriental.

    32.78€ 19.00€

Estamos encerrados para férias de 7 a 18 de Agosto. As encomendas efectuadas nesse período serão expedidas a partir do dia 21 de Agosto.