Não Aconteceu nada em Hiroshima

Não Aconteceu Nada em Hiroshima

18.17€

«Não aconteceu nada em Hiroshima é obrigar a olhar para lá, para esse turbilhão negro no ar, para os corpos mutilados no momento ou num futuro mutilado, e obrigar-nos a recuar […], e esse olhar não é fuga ao passado mas antes uma insistência que torna o presente mais acutilante: esse não aconteceu nada que diz que constantemente ele está ainda a acontecer, sob esta forma (na Ex-Jugoslávia, Palestina-Israel, nas guerras “desejadas” contra o Iraque, etc.) ou sob outra forma, proposta no texto, nesse desejo constante de vida, de afirmação de vida que, na companhia de Deleuze (e também de Guattari), Ana Isabel Crespo afirma com força que supera todos os obstáculos, todos os desejos de morte, proposta excessiva, apaixonada que nos deixa sem lugar para percebermos como essa afirmação excessiva de vida é possível, a partir de uma leitura nietzschiana da vida que Deleuze tornou possível, compreensível, no seu belís-simo livro Nietzshe et la Philosophie (1962). […] É também (im)pertinente o modo como, neste texto, há uma proposta de pensar o género e a Psicoterapia de orientação analítica (nas palavras da autora) e se assume nessa leitura, a partir do conceito de Deleuze/Guattari devir-mulher, uma outra postura face às lutas feministas que, na sua afirmação política, pretendem em geral tornar-se elas próprias um devir-maioritário, de domínio.» Teresa Joaquim

Em stock

REF: 81005 Categoria: Etiqueta:
  • Sobre o livro
  • Detalhes do produto

Product Description

«Não aconteceu nada em Hiroshima é obrigar a olhar para lá, para esse turbilhão negro no ar, para os corpos mutilados no momento ou num futuro mutilado, e obrigar-nos a recuar […], e esse olhar não é fuga ao passado mas antes uma insistência que torna o presente mais acutilante: esse não aconteceu nada que diz que constantemente ele está ainda a acontecer, sob esta forma (na Ex-Jugoslávia, Palestina-Israel, nas guerras “desejadas” contra o Iraque, etc.) ou sob outra forma, proposta no texto, nesse desejo constante de vida, de afirmação de vida que, na companhia de Deleuze (e também de Guattari), Ana Isabel Crespo afirma com força que supera todos os obstáculos, todos os desejos de morte, proposta excessiva, apaixonada que nos deixa sem lugar para percebermos como essa afirmação excessiva de vida é possível, a partir de uma leitura nietzschiana da vida que Deleuze tornou possível, compreensível, no seu belís-simo livro Nietzshe et la Philosophie (1962). […] É também (im)pertinente o modo como, neste texto, há uma proposta de pensar o género e a Psicoterapia de orientação analítica (nas palavras da autora) e se assume nessa leitura, a partir do conceito de Deleuze/Guattari devir-mulher, uma outra postura face às lutas feministas que, na sua afirmação política, pretendem em geral tornar-se elas próprias um devir-maioritário, de domínio.» Teresa Joaquim

Additional Information

Peso 0.294 kg
ISBN 978-972-24-1245-0
Dimensões 17 x 24 cm
Número de Páginas 160
Encadernação capa mole
Faixa Etária Todas as idades