A TV de Proximidade e os Novos Desafios do Espaço Público

A TV de Proximidade e os Novos Desafios do Espaço Público

Este livro centra-se na análise da relação entre os meios de comunicação social e o espaço público e na caracterização da realidade social que resulta dessa relação: uma sociedade alicerçada no fosso crescente entre a elite decisora e a massa e onde os meios de comunicação social, ao invés de ampliarem a discussão racional, antes fortalecem o conformismo que transforma a opinião pública numa entidade difusa, a que a elite recorre, apenas, porque necessita do peso do número para legitimar a sua acção política. Esta opinião pública é mera realidade estatística à mercê de poderosos interesses que, recorrendo à propaganda, ao marketing político e aos meios de comunicação social se servem do peso do número dessa entidade sem rosto para alcançarem os seus propósitos. Este trabalho destaca a acção dos meios de comunicação social, sobretudo da televisão, para concluir que a lógica da maximização das audiências facilita a progressão dessa sociedade atomizada, uma vez que obriga a que sejam retirados dos espaços nobres de contacto com o grande público todas as referências que apelem ao pensamento, ao debate e à discussão racionais, com vista à formação de uma verdadeira opinião. Pedro Coelho rejeita este determinismo e analisa o papel dos públicos remanescentes, os sujeitos livres que resistem, que pensam e discutem a realidade, tentando encontrar formas de influenciarem a massa num sentido que lhe permita inverter a lógica que orienta a sua acção. Neste livro é criado um modelo, a televisão de proximidade, que o autor aplica, em tese, às regiões em vias de desenvolvimento, dissertando sobre a forma como esses canais podem contribuir para a progressão do espaço público. O autor nunca esconde a sua condição de jornalista de televisão, analisando o meio de uma forma que reflecte a ligação apaixonada que ainda mantém com esse objecto, mas, simultaneamente, questionando a lógica de que a televisão se tornou refém, de uma forma que deixa reflectir no texto algum desencanto com a profissão.

19.08

Esgotado

REF: 90014 Categoria: Etiqueta:
  • Sobre o livro
  • Detalhes do produto

Descrição

Este livro centra-se na análise da relação entre os meios de comunicação social e o espaço público e na caracterização da realidade social que resulta dessa relação: uma sociedade alicerçada no fosso crescente entre a elite decisora e a massa e onde os meios de comunicação social, ao invés de ampliarem a discussão racional, antes fortalecem o conformismo que transforma a opinião pública numa entidade difusa, a que a elite recorre, apenas, porque necessita do peso do número para legitimar a sua acção política. Esta opinião pública é mera realidade estatística à mercê de poderosos interesses que, recorrendo à propaganda, ao marketing político e aos meios de comunicação social se servem do peso do número dessa entidade sem rosto para alcançarem os seus propósitos. Este trabalho destaca a acção dos meios de comunicação social, sobretudo da televisão, para concluir que a lógica da maximização das audiências facilita a progressão dessa sociedade atomizada, uma vez que obriga a que sejam retirados dos espaços nobres de contacto com o grande público todas as referências que apelem ao pensamento, ao debate e à discussão racionais, com vista à formação de uma verdadeira opinião. Pedro Coelho rejeita este determinismo e analisa o papel dos públicos remanescentes, os sujeitos livres que resistem, que pensam e discutem a realidade, tentando encontrar formas de influenciarem a massa num sentido que lhe permita inverter a lógica que orienta a sua acção. Neste livro é criado um modelo, a televisão de proximidade, que o autor aplica, em tese, às regiões em vias de desenvolvimento, dissertando sobre a forma como esses canais podem contribuir para a progressão do espaço público. O autor nunca esconde a sua condição de jornalista de televisão, analisando o meio de uma forma que reflecte a ligação apaixonada que ainda mantém com esse objecto, mas, simultaneamente, questionando a lógica de que a televisão se tornou refém, de uma forma que deixa reflectir no texto algum desencanto com a profissão.

Informação adicional

Weight 0.452 kg
Dimensions 17 x 24 cm